Durante cumprimento de mandados de busca e apreensão da Polícia Federal (PF), o deputado federal Loester Trutis (PSL) foi detido nesta quinta-feira (12), por posse ilegal de arma. A ação investiga um “suposto atentado” sofrido pelo parlamentar.

A Operação Tracker cumpre 10 mandados de busca e apreensão. Intitulada de ‘Tracker’, a ação apura o suposto atentado que o deputado e seu assessor sofreram, no dia 16 de fevereiro deste ano. Segundo Trutis, naquele dia, o seu veículo foi alvo de vários disparos na BR-060, entre Campo Grande e Sidrolândia.

De acordo com a PF, estão sendo cumpridos 10mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), dos quais, nove são em Mato Grosso do Sul e um cumprido em Brasília. Ao todo, participam da ação 50 policiais federais.

O nome da Operação Policial faz referência ao intenso trabalho investigativo realizado pela Polícia Federal em busca de provas para a completa elucidação dos fatos e identificação e dos  autores.

A denúncia 

No dia 16 defevereiro deste ano, Trutis publicou no Facebook, por volta das 9h, que ele e sua equipe haviam sofrido atentado à caminho de Sidrolândia. O parlamentar alegou ter sido vítima de emboscada e narrou que revidou o ataque.

“O carro emque estavam foi alvejado por, no mínimo, 5 disparos”, dizia a a publicação divulgada em sua rede social.

Na imagem mostra um carro Toyota Corolla preto com vidros estilhaçados e marcas de bala. “O deputado conseguiu revidar o ataque. Apesar da emboscada, todos estão bem e sem ferimentos”.

Loester Carlos conta que acionou o Batalhão de Operações Especiais (Bope), que levou o deputado até Polícia Federal de Campo Grande, onde ele fez a denúncia. fonte jd1noticias